Não passaram muitos anos, foram no entanto alguns, ao tempo em que os nomes de Fábio Mota e João Barros eram em dose dupla sinal de respeito e competência no karting de competição. A seu tempo, ambos construíram um percurso de sucesso no karting nacional, muito especificamente na categoria Livre 125. Também a seu tempo, o karting passou a ser uma memória e os dois seguiram adiante no vasto mundo do automobilismo. Fábio Mota optou por se manter nas provas em circuito, mas agora nos autódromos europeus, foi exibindo os seus dotes de piloto em competições monomarca, como a espanhola Copa Renault Clio ou a Peugeot 308 Cup. Andou também pelo ETCC e até experimentou a classe GT4 das competições de GT. Já João Barros, ‘saiu dos karts’ para se dedicar aos ralis, área do automobilismo em que também deixou patenteado o seu talento.

O karting não só se pratica como se vive e estes dois ‘homens de família’ regressam em 2019 à modalidade onde todo o seu percurso teve início. No Kartódromo Internacional da Região Oeste (KIRO), os dois estão entre os inscritos para o Open de Portugal de Karting, mais concretamente na categoria X30 Super Shifter Master.

A Karting Global juntou-os para a foto e num saudável frente a frente que exibe a amizade dos dois, quis saber porque estes ‘dois filhos a casa tornaram’ e qual a sua motivação atual.

Fábio Mota

“É com muito prazer que estou de volta. Uma das minhas motivações neste regresso é o prazer de condução que esta categoria equipada com karts com caixa de velocidade proporciona”, disse Fábio Mota. “Nalgumas categorias do automobilismo que experimentei é difícil ter este tipo de adrenalina. Outra motivação é o modo como este campeonato está montado, com os custos controlados, já que nos permite fazer um fim de semana de corrida com preços muito competitivos comparativamente com outras competições de automobilismo. Provavelmente, há 10 anos atrás, tinha que se investir o dobro ou o triplo para se conseguir competir. Além disso provavelmente, é a melhor forma de manter alguma disciplina física numa fase da minha vida em que os afazeres profissionais me retiram tempo considerável à prática do desporto. Desta forma consigo manter o meu peso e forma dentro dos requisitos adequados para um piloto de automobilismo.”

João Barros

“Basicamente, o princípio do meu regresso é idêntico ao do Fábio”, disse João Barros. “Nós que fomos grandes adversários quando éramos mais jovens, ficou-nos sempre o ‘bichinho’ do kart de caixa da altura e agora tenho também outro fator importante que é a família, que está a crescer. Já tenho aqui um sobrinho e um filho a fazer o campeonato nacional e porque não eu fazer umas corridas do campeonato também, até mesmo para manter a elegância, pois estou ‘fortezinho’ e não me faz mal perder uns quilos. Fico muito satisfeito de estar aqui junto da ‘rapaziada nova’ e embora a motivação seja vencer, não me incomodo se ficar em 5º ou 6º lugar, quero é competir.”

Texto: ©Jorge Cabrita
Fotos: ©VVL Sport Image (José Lourenço)